O que é?       Para que serve?       Como funciona?


O que é?

A Psicoterapia é um processo de ajuda diante das necessidades singulares e do propósito de vida de cada um que a procura.

A partir das sessões psicoterapêuticas amplia-se o autoconhecimento, oferecendo uma oportunidade valiosa de olhar para si, para suas histórias e escolhas, compreendendo os caminhos trilhados até o momento atual.

Com a construção de um vínculo de confiança entre terapeuta e cliente, e das reflexões acerca de si mesmo, o paciente vai, pouco a pouco, tomando consciência de como funciona na vida, resgatando ou descobrindo suas próprias potencialidades e se fortalecendo para como gostaria de caminhar em sua vida, ou seja, o que ele ainda pode vir a ser.

Nós não mudamos o passado, mas podemos compreendê-lo, resignificá-lo e escolher como delinear parte de nosso futuro, de como estar nas relações, de como estar consigo, como se relacionar com a vida e com tudo o que a rodeia, a partir do que aqui e agora. “Não importa o que a vida fez com você, o que importa é o que você faz com o que a vida fez com você” (Jean Paul Sartre)

 

Para que serve?

Quando buscamos uma psicoterapia geralmente é quando estamos diante de um conflito, angustia, tristeza, ansiedade, indecisão, crise existencial, problemas, enfim, vários são os motivos que levam uma pessoa para a psicoterapia. Mas a proposta é que a pessoa saia melhor do que entrou e que encontre um sentido também no sofrimento.

Fazer psicoterapia é investir em si mesmo, buscando ou construindo o sentido na vida, desenvolvendo a autoconfiança e construindo o próprio caminho, a partir de sua liberdade de escolha.

É uma oportunidade de abrir espaço para novas possibilidades, compreensões e alternativas de resoluções de problemas, expandindo os próprios recursos para ação.

 

Como Funciona? 

  1. Psicoterapia de Adultos
  2. Orientação Familiar
  3. Psicoterapia de Adolescentes
  4. Orientação Vocacional e Projeto de Vida
  5. EMDR

Psicoterapia de Adultos

O adulto quando chega ao consultório vem com uma bagagem de vida e traz uma dificuldade de lidar com o contexto atual seja ele profissional, de relacionamento, de baixa autoestima, ansiedade, depressão, insegurança, medo, questões familiares, e tantas outras questões humanas.

Algumas pessoas não buscam ajuda psicológica por achar que o que estão sentindo tem pouca importância ou que não é tão grave assim. Mas, se o que vem sentindo traz incomodo e impacta no seu bem-estar mental e emocional e até físico, pode ser o momento de buscar ajuda para ampliar este olhar e perceber o que está acontecendo internamente, identificando os sentimentos envolvidos e fazendo as mudanças internas necessárias para dar sequencia a própria vida com mais prazer e menos sofrimento, ampliando seu autoconhecimento e sentindo-se melhor consigo.

Orientação Familiar

Os motivos que levam a família ou o casal a buscar ajuda são diversos, de acordo com cada etapa do ciclo vital  familiar: recém-casados, a chegada de um bebê, filhos na idade escolar, adolescência, fase adulta e velhice.

Por exemplo, um casal pode apresentar dificuldades na comunicação, onde há uma expectativa não revelada e, consequentemente, não atendida, gerando assim, frustração. O sofrimento calado prejudica a  conexão do casal, iniciando uma série de conflitos do relacionamento, podendo acarretar numa distância afetiva prejudicada pela falta de diálogo.

Outra dificuldade pode estar relacionada a chegada de um filho. A dinâmica familiar é alterada e o casal pode sentir dificuldade de integrar seu novo papel na vida: o de mãe e o de pai e ainda manter o papel de marido e mulher. Durante o desenvolvimento da criança, surgem as questões relacionadas ao modelo de educação de acordo com a cultura de cada um. Um momento de pausa pode ser importante para o casal refletir e pensar nos valores que gostariam de inserir na própria família, fortalecendo esta conexão e construindo uma base familiar sólida e afetuosa.

Na idade escolar as crianças começam a apresentar as dificuldades como: falta de limites, de organização, dependência dos pais, birras, insegurança, excesso de jogos eletrônicos, dificuldade para se alimentar, rotinas de lição de casa, entre outros fatores comportamentais relacionados a cada faixa etária.

Na fase da adolescência, os pais precisam aprender uma outra maneira de se relacionar com o filho, pois as condutas aplicadas nas fases anteriores já não funcionam da mesma maneira, e novamente, a família começa a se ajustar e construir uma outra forma de acordo com este novo ciclo.

Nas sessões com a família amplia-se o olhar para o relacionamento, compreendendo o que cada comportamento quer dizer. É uma oportunidade que a família se dá para  melhorar a comunicação e ajustar a bússola, resgatar os valores, fortalecer o vínculo, respeitar e compreender as diferenças, assumir as próprias responsabilidades e encontrar meios alternativos de resolução para o bem de todos.

Segundo Elisabeth Lukas em seu livro La felicidad en La Familia, “a família é o edifício onde habitam nossas almas”

Psicoterapia de Adolescentes 

A adolescência é uma fase de grande transformação física, hormonal, psíquica e de humor. O adolescente começa a questionar, refletir, não aceita tudo quieto, gosta de colocar sua opinião, fica um pouco mais rebelde, tem suas paixões, seus sonhos, desejos, descobrem o sexo, querem ficar sozinhos no seu quarto, dormem demais, não querem mais acompanhar os pais nos eventos, precisam fazer parte de um grupo, começam a ter acesso as drogas e tantas outras novas descobertas e mudanças que deixam suas cabecinhas a mil por hora.

A família também passa por estas mudanças e os conflitos com os pais tendem a aumentar. É muito comum o adolescente se queixar que seus pais não os ouvem e os pais se queixarem das mudanças do filho.

O adolescente quando busca a psicoterapia tem uma necessidade de compartilhar suas angústias com alguém que possa ouvi-los, respeitá-los e ajuda-los a pensar. Como não se sentem mais tão à vontade para dividir suas questões íntimas com os pais e nem com os amigos, encontram na psicoterapia um lugar para si diante de tantas informações novas ao seu redor.

Às vezes são trazidos pelos pais e mostram-se resistentes num primeiro momento, mas aos poucos, vão sentindo confiança e se abrindo, desde que sintam confiança no psicoterapeuta.

Orientação Vocacional

A Orientação Vocacional e Projeto de Vida ajuda o adolescente a refletir sobre o significado deste momento de escolha profissional. Além de ter que escolher algo, eles estão vivendo a despedida da escola, de seus amigos e de um lugar que lhes dava uma segurança e certo conforto. É uma fase de transição para o mundo adulto onde seu universo de conhecimento será muito mais amplo e diverso.

É uma etapa importante da vida mas que vem acompanhada de muita pressão dos pais, da escola, da sociedade e deles próprios para esta decisão, aumentando suas incertezas, medos, inseguranças, ansiedade, expectativas e o medo de escolherem errado.

Os encontros tem a proposta de acolher estas angústias na medida em que estes sentimentos são compartilhados e compreendidos, investindo no autoconhecimento e na liberdade de escolha com responsabilidade quanto ao planejamento de seu projeto de vida.

As atividades ajudam a analisar seus interesses e habilidades e a ter uma visão do mercado profissional, para auxiliar em sua decisão.

O trabalho é feito em 12 encontros e são aplicados testes e vivências para verificar o nível de Maturidade para escolha profissional(antes e depois do processo), Traços de personalidade, Habilidades profissionais específicas, Vocação/ Estilo profissional, expectativas dos pais diante da escolha, análise dos resultados e percepção sobre as áreas escolhidas, pesquisa de Mercado.

O trabalho de orientação vocacional e projeto de vida pode ser individual ou em grupo.

 

EMDR

Terapia com EMDR (Eyes Moviment Desensitization and Reprocessing), em português: Dessensibilização e Reprocessamento por meio dos Movimentos Oculares, foi desenvolvida nos Estados Unidos pela Dr. Francine Shapiro, no final de 1980 e inicialmente era indicada para casos de traumas (abuso sexual, sequestros, guerra, desastres, TEPT – Transtorno de Estress pós-traumático), porém hoje se aplica para diversos outros casos de sofrimento (luto, dores crônicas, violência psicológica, entre outros).

O tratamento com EMDR, apresenta excelentes resultados, e sua eficácia é reconhecida pela OMS  (Organização Mundial da Saúde).

Para conhecer mais, acesse: http://www.emdr.org.br/

 

Minha experiência com EMDR:

“Antes de fazer a formação, tive curiosidade em saber como este tratamento funcionaria comigo. Então, me submeti a uma Terapia com EMDR para cuidar de algumas questões pontuais que ainda me incomodavam. De fato, fiquei impressionada com os resultados e com as mudanças profundas que a técnica proporciona. Depois de vivenciar o processo, fiz a formação com a Dra.  Esly Carvalho em Brasília, a responsável por trazer o EMDR ao Brasil  e estudou com a Dra. Francine Shapiro. Desde então, venho utilizando o EMDR, como um recurso a mais nos meus atendimentos, e os resultados tem sido surpreendentes, tanto para mim quanto para os clientes. Ambos ficamos felizes com os resultados e mudanças significativas que o EMDR contribui no processo psicoterapêutico tradicional.”